quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

Larseniesco

Eu sou horrível. Sinto-me horrível... Quero refletir.

Não tenho muito espaço para isto, mas o suficiente para que minhas palavras desçam ao papel como representação do que penso. Entendo que há uma decisão irremediável a ser tomada na minha vida que pode tornar o meu futuro algo célebre ou algo fúnebre. Quem sou eu?

Por vinte e poucos anos, incorri num erro comum de pessoas sem origens: procurar origens. Não tenho origem. Ignorar? Não. Deixar de ignorar que sou feito da mesma essência de mim mesmo. Só “eu” posso me fazer seja lá o que for. Até aqui, consciente ou não, foi o que fiz. Meu capital intelectual é feito de meu sangue: estudei para o que sou.

Conheço o mundo à maneira Kantiana, sem sair da minha Königsberg particular. Mas, como me expor a um algo inexpugnável? Por anos, tentei redistribuir a realidade em diversas dimensões amparadas pelo sempre refugo anti-empírico da infância, quando o sentido de não-existir foi amplamente ensaiado. Não reparti a rês, dei-lhe um outro significado.

3 comentários:

Talita disse...

É meu amigo...como sempre...vc continua sendo uma "crise existencial ambulante eterna"!!!Menos mal, enquanto há crise, há vida e sem crise, não há mudança.
Tenha crise para mudar, não para sofrer...crie e se recrie meu querido...sempre há tempo...
bjs com amor

Renato disse...

João tem a falta de pudor que me falta.

Frau disse...

Você não é horrivel, apenas descobriu que também é humano.